30 C
Brazil
Wednesday, May 29, 2024
HomeBRASILCinco erros que o Fies não soluciona em sua nova versão

Cinco erros que o Fies não soluciona em sua nova versão

Date:

Related stories

Inovação e sustentabilidade no campo serão apresentadas na Rondônia Rural Show Internacional

As instalações dos estandes no Centro Tecnológico Vandeci Rack,...

Prazo para regularizar o licenciamento anual de veículos com placa final 4 vai até dia 30

Detran-RO alerta motoristas para regularizar licenciamento anual. Motoristas e proprietários...

Começa hoje o julgamento que pode cassar o mandato de Sérgio Moro

A equipe de Moro informou que o senador não...
spot_imgspot_img

Em artigo especial para o portal da Jovem Pan, José Cláudio Securato afirma que o sistema precisa atender melhor quem mais precisa, parar de financiar quem não precisa e incentivar que os alunos honrem suas dívidas.

Sam Balye/UnsplashCLASSROOM

Fies foi criado em 1999 com o objetivo de facilitar o ingresso de estudantes de baixa renda nas universidades

Ao mesmo tempo em que o Fies foi um fator de democratização do ensino superior no Brasil, ele foi responsável por um enorme fator de desequilíbrio entre a oferta e a demanda de vagas e deturpou a cultura de ensino superior no país. Há, ao menos, cinco erros que o novo Fies não endereça em sua nova versão. Primeiro: o Fies é um sistema de financiamento de acesso ao ensino superior, mas não incentiva o aprendizado, o desenvolvimento e a empregabilidade. Ele incentiva os jovens a iniciarem seus cursos no ensino superior, não a concluírem. Não há controle de avaliações dos alunos bem como de sua empregabilidade.

Segundo: o Fies é um sistema que não privilegia os brasileiros que mais precisam de financiamento. Alunos de classe média alta, com condições de financiar seus próprios estudos, tiram oportunidades de famílias de classes socioeconômicas mais baixas de terem acesso ao ensino superior e de terem outros benefícios complementares, além do financiamento. Terceiro: o Fies induz os alunos do ensino médio a procurarem a graduação como forma de preparação para o trabalho, ignorando a opção de ensino técnico, que aumentariam muito as chances de empregabilidade e contribuiriam para o desenvolvimento do Brasil.

Quarto: o presidente Lula já incentiva que a inadimplência do velho Fies se repita no novo Fies: “Não tenha vergonha se você está devendo, porque não pode pagar ou porque alguém prejudicou você”. Ou seja, se você não pode pagar por um financiamento, não há problema. Se não é um problema, vamos transformar o Fies num sistema de voucher onde não é necessário o pagamento. O não pagamento do financiamento pelos alunos tornou o Fies insustentável uma vez, e o tornará novamente. Quinto: o governo precisa acompanhar a lógica de preços das faculdades e universidades para não financiarem qualquer curso a qualquer preço, afinal o velho Fies pagou as maiores mensalidades da história do Brasil e enriqueceu grupos educacionais que se aproveitaram da falta de controle para arbitrar preços. O governo está certo em uma coisa: precisamos fazer um Fies mais social. Para isso, temos que atender melhor quem mais precisa e parar de financiar quem não precisa e incentivar que os alunos honrem suas dívidas estudantis, como forma de dar autossustentabilidade ao financiamento.

Subscribe

- Never miss a story with notifications

- Gain full access to our premium content

- Browse free from up to 5 devices at once

Latest stories

spot_img

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here

porn
london escorts
betoffice
uluslararası zati eşya taşımacılığı türkiyeden almanyaya ev taşıma uluslararası evden eve nakliyat türkiyeden kıbrısa evden eve nakliyat türkiyeden kıbrısa ev taşıma fiyatları türkiyeden ingiltereye evden eve nakliyat yurtdışına ev taşıma zati eşya taşımacılığı
deneme bonusu veren siteler