15.4 C
Brazil
Tuesday, July 16, 2024
HomeGERALGuerra em Gaza já vitimou 1% das crianças do território, revela UNICEF

Guerra em Gaza já vitimou 1% das crianças do território, revela UNICEF

Date:

Related stories

Inovação e sustentabilidade no campo serão apresentadas na Rondônia Rural Show Internacional

As instalações dos estandes no Centro Tecnológico Vandeci Rack,...

Prazo para regularizar o licenciamento anual de veículos com placa final 4 vai até dia 30

Detran-RO alerta motoristas para regularizar licenciamento anual. Motoristas e proprietários...

Começa hoje o julgamento que pode cassar o mandato de Sérgio Moro

A equipe de Moro informou que o senador não...
spot_imgspot_img

A UNICEF estima que mais de 1% das crianças da Faixa de Gaza morreram na guerra no enclave palestiniano, criticando Israel, país invasor, por “ir longe demais” no conflito com o Hamas.

Numa entrevista à agência Lusa a partir de Rafah (no sul do enclave e próximo da fronteira com o Egito), James Elder, australiano de 53 anos e porta-voz no Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF), disse nunca ter visto uma devastação como a que se regista em Gaza, sobretudo em Khan Yunis.

“Penso que os números falam por si. Mais de 1% de todas as crianças de Gaza foram mortas. Qualquer coisa como 13.000 rapazes e raparigas. Todas as crianças aqui precisam de algum tipo de apoio ou de ajuda de saúde mental. Todos estes tristes recordes foram batidos”, afirmou Elder, manifestando-se horrorizado com a situação.

“Tantas pessoas que perderam todos os seus entes queridos. Dois terços das casas e edifícios danificados ou destruídos. Dois terços dos hospitais não estão a funcionar. As taxas de desnutrição atingiram níveis catastróficos mais rapidamente do que nunca. Penso que tudo isto conta a sua própria história brutal”, afirmou Elder.

O responsável da UNICEF, que já fez missões no Sudão e na Ucrânia, está desde segunda-feira no sul do enclave e tem-se desdobrado em ajuda entre o que resta dos hospitais em Rafah e em Khan Yunis, onde o principal, o Nasser, já não está a funcionar.

“Nunca vi uma devastação como esta em Khan Yunis, nos meus 20 anos com as Nações Unidas. Tudo destruído. É uma cidade com edifícios em que foram simplesmente destruídos três, quatro, cinco, seis andares. Para onde quer que se olhe, em cada rua que se desça, é só entulho”, frisou Elder.

Segundo o porta-voz da UNICEF, que no final de 2023 passou vários meses no hospital Nasser, há poucos meses ainda era possível contar com o apoio de médicos, que prestavam “todos os cuidados possíveis”, a inúmeras crianças com feridas de guerra, queimaduras e estilhaços de bombas.

“Houve uma ofensiva terrestre e o hospital Nasser deixou de existir em termos de funcionalidade. Era um hospital fundamental, realmente fundamental para crianças e civis aqui no sul. Rafah é uma cidade de crianças. Tem o dobro da densidade populacional da cidade de Nova Iorque e não tem arranha-céus. Há pessoas a dormir nas ruas. É intenso. É um desespero absoluto. É frio. Tem estado a chover, mas são pessoas que costumavam ter casas e salas de estar e quartos de crianças, agora completamente destruídos, e que fazem tudo o que podem com o que têm, que é muito pouco”, relatou.

Sublinhando que toda a região está a ser alvo de uma “catástrofe humanitária”, Elder defendeu que a solução “nem sequer é assim tão complicada”, apesar da situação horrível das pessoas, das crianças que estão a morrer à fome, da fome iminente”.

“Mais de 1% de todas as crianças de Gaza foram mortas”, insistiu: “é espantoso e a solução não é assim tão complexa. É inundar a Faixa de Gaza com ajuda”.

“Quando cheguei [segunda-feira, através da entrada fronteiriça do Egito], passei por centenas de camiões. Centenas de camiões de comida, água, medicamentos, tudo o que as pessoas precisam aqui. É preciso que essas coisas sejam autorizadas a entrar”, contou.

“Precisamos também de mais pontos de acesso a Gaza, o mais rapidamente possível. E as estradas são a forma mais rápida possível de fazer chegar a ajuda. Portanto, mais ajuda, mais acesso e um cessar-fogo. Precisamos de um cessar-fogo. As pessoas aqui sofreram demasiado. Não podemos – e estou a ouvir ‘drones’ [aeronaves não tripuladas] agora – ter mais bombardeamentos de crianças”, acrescentou Elder.

O responsável da UNICEF salientou que as filas com camiões parados com ajuda humanitária estendem-se “por quilómetros e quilómetros” e que grande parte deles estão já quase junto à fronteira, a aguardar “luz verde” para entrar no enclave.

“Temos crianças a morrer à fome com a ajuda a poucos quilómetros de distância. Transportam toda a ajuda de que as pessoas tão desesperadamente precisam, sobretudo aquelas crianças esfomeadas que vi hoje todo o dia. Estão apenas a alguns quilómetros de distância”, lamentou, reiterando estar a assistir a algo impensável.

“Nos hospitais, para onde quer que olhemos, vemos uma criança com feridas de guerra”, relatou.

“Hoje, falei com um colega. Estávamos a conversar. Perguntei-lhe como estava a sua família. E ele explicou-me que 36 dos seus familiares tinham sido mortos há umas semanas. A mãe, o pai, os irmãos, as irmãs, as tias, os tios, toda a gente. E isto não é novo, não é único”, frisou Elder.

Subscribe

- Never miss a story with notifications

- Gain full access to our premium content

- Browse free from up to 5 devices at once

Latest stories

spot_img

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here

porn
london escorts
betoffice
uluslararası zati eşya taşımacılığı türkiyeden almanyaya ev taşıma uluslararası evden eve nakliyat türkiyeden kıbrısa evden eve nakliyat türkiyeden kıbrısa ev taşıma fiyatları türkiyeden ingiltereye evden eve nakliyat yurtdışına ev taşıma zati eşya taşımacılığı
deneme bonusu veren siteler