22.8 C
Brasil
domingo, março 3, 2024
HomeGERALUnião Europeia quer reforçar apoio à Ucrânia em contraciclo com desgaste nos...

União Europeia quer reforçar apoio à Ucrânia em contraciclo com desgaste nos EUA

Date:

Related stories

FGTS digital começa hoje; veja como vai funcionar

Os empregadores poderão fazer uso de uma plataforma com...

Fluminense conquista título da Recopa Sul-Americana sobre a LDU

Jhon Arias marcou duas vezes para garantir o troféu...

PF retira invasores da Terra Indígena Pacaás Novas em Rondônia

Um dos invasores foi preso em cumprimento a um...

Corregedoria-Geral do MPRO prestigia posse da nova composição do CNCGMPEU

Evento é realizado em Manaus (AM) Porto Velho, RO - A...
spot_imgspot_img

Os ministros dos Negócios Estrangeiros da União Europeia (UE) reúnem-se na segunda-feira para reforçar a mensagem de que a Ucrânia não está sozinha, numa altura em que o apoio de Washington está mais tremido do que nunca.


União Europeia quer reforçar apoio à Ucrânia em contraciclo com desgaste nos EUA

FONTE:  Noticia ao Minuto – Portugal

O consenso no Congresso dos Estados Unidos da América (EUA) sobre o apoio à Ucrânia já não existe.

Apesar dos sucessivos apelos do Presidente norte-americano, o Democrata Joe Biden, que ainda esta semana disse que o país invadido pela Rússia “não pode esperar mais”, o apoio que outrora foi “inequívoco” hoje é frágil e o ano vai acabar sem a aprovação de um pacote de 106 mil milhões de euros para a Ucrânia, Israel e Taiwan.

Biden conseguiu assegurar mais de 160 milhões de euros para a Ucrânia, mas é insuficiente, com a guerra, hoje de atrito, num impasse e as Forças Armadas ucranianas a precisarem de mais e melhor armamento, e de recuperar infraestruturas críticas visadas pelas tropas russas.

Em contraciclo com Washington, os ministros com a pasta da diplomacia dos 27 querem reforçar que estão ao lado da Ucrânia enquanto houver necessidade, para transmitir a Vladimir Putin que não vai vencer a guerra pelo cansaço e para pressionar o parceiro do outro lado do Atlântico.

Dentro da UE, a Hungria está a ameaçar ‘fechar a torneira’ ao apoio económico-financeiro, nomeadamente um pacote de 50 mil milhões de euros, e a colocar em causa a estratégia dos 27 para a Ucrânia.

Estas duas questões vão ser discutidas na reunião de segunda-feira. O ministro dos Negócios Estrangeiros português, João Gomes Cravinho, vai participar na reunião.

O agravamento das tensões no Médio Oriente também vai ser alvo de discussão. A União Europeia tem uma posição: apoio ao direito à defesa de Israel depois do atentado do movimento islamita Hamas, em 07 de outubro, apelando ao respeito pela lei humanitária internacional e a “pausas humanitárias”.

Esta posição já não é defendida por todos os Estados-membros. Espanha e a Irlanda, por exemplo, já subiram o tom e apelaram a um cessar-fogo por causa da tragédia humana do conflito (mais de 17.000 mortos na Faixa de Gaza).

Em declarações à agência France-Presse (AFP), a ministra dos Negócios Estrangeiros da Bélgica, Hadja Lahbib, anunciou que o país vai apresentar uma proposta para impedir a circulação no espaço Schengen de colonos israelitas envolvidos na onda de violência que está a assolar a Cisjordânia e a levar à expulsão de famílias palestinianas das suas casas.

A ministra considerou que é preciso abordar um quadro de sanções para “colonos violentos”.

Há vários anos que várias organizações não-governamentais e intervenientes políticos têm advertido Israel por causa da construção de colonatos naquele território palestiniano. A violência acentuou-se depois do atentado do Hamas em 07 de outubro e da incursão israelita em Gaza.

Os 27 governantes vão ainda discutir o agravamento da situação político-social e de segurança na região do Sahel, em África.

O Sahel diz respeito à região que agrega o Senegal, Mauritânia, Mali, Burkina Faso, Níger, uma parte da Nigéria, Chade, Sudão, Etiópia, Jibuti, Eritreia e Somália.

Em menos de dois anos houve golpes militares no Mali, Níger e Burkina Faso. Em simultâneo, a UE está preocupada com a presença cada vez maior do grupo mercenário Wagner, que, depois da incursão em território ucraniano que acabou com uma curta insurreição contra Moscovo, se deslocou para África, onde a presença era já acentuada.

A reunião vai ser antecedida no domingo de um jantar informal entre todos os ministros e a líder da oposição na Bielorrússia, Sviatlana Tsikhanouskaya, exilada desde as últimas eleições presidenciais.

A principal opositora ao regime de Aleksandr Lukashenko vai abordar a degradação da situação democrática do país.

Na manhã de segunda-feira, os governantes vão reunir-se informalmente com o homólogo arménio, Ararat Mirzoyan, para discutir a instabilidade da região.

Está prevista uma conferência de imprensa do alto-representante da UE para os Negócios Estrangeiros, Josep Borrell, no final.

Subscribe

- Never miss a story with notifications

- Gain full access to our premium content

- Browse free from up to 5 devices at once

Latest stories

spot_img

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here

porn
london escorts
betoffice
uluslararası zati eşya taşımacılığı türkiyeden almanyaya ev taşıma uluslararası evden eve nakliyat türkiyeden kıbrısa evden eve nakliyat türkiyeden kıbrısa ev taşıma fiyatları türkiyeden ingiltereye evden eve nakliyat yurtdışına ev taşıma zati eşya taşımacılığı
deneme bonusu veren siteler